Meu primeiro show de rock

Texto originalmente publicado no dia 19 de março de 2015
 

Até os meus 18 anos, se não me engano, eu nunca tinha ido a um show ao vivo. Quer dizer, teve um do Detonautas no Réveillon de Cabo Frio. Só que Detonautas é aquilo né, não dá pra falar que você foi a um show deles sem correr o risco levar um soco bem dado no meio da têmpora. Minha vida era essa merda aí.

Até que em 2010 recebi a notícia de que ia rolar no Rio de Janeiro um show com as bandas Carbona, Gramofocas e Costanzas. Deus que me perdoe, mas eu fiquei tão empolgado que na hora eu senti o meu pintinho descolando de meu saquinho. Fiquei mais ansioso que uma directioner e liguei na pro amigo Zé para contar a notícia.

 
– Alô
– ZÉ PUTA QUE PARIU
– Quem é?
– É O YGOR, ZÉ. VAI TER SHOW
– Quê?
– SHOW DO CARBONA COM OS GRAMOFOCAS AQUI NO RIO
– COMO ASSIM ETA PORRA CARBONA E GRAMOFOCAS
– BORA?
– EU DIGO BORA. ONDE É?
– Na Lapa
– Ô merda…
 

Naquela hora caiu a ficha de que nada nessa vida é perfeito. A porra do show poderia ser em qualquer lugar, mas não…ia ser na Lapa.

Pra quem não está familiarizado com Rio de Janeiro, eu explico: a Lapa, na teoria, é um bairro boêmio da cidade. Ponto turístico que chama atenção de turistas do mundo todo tanto pelo visual de dia quanto pelos bares e música ao vivo à noite. Na prática a Lapa é um dos nove infernos de Dante. Imagina aí um tsunami que em vez de água tem urina, chorume, gente querendo te assaltar e barulho pra todo lado. Essa é a Lapa.

 
Ilustrando melhor, essa é a Lapa de dia

 
E essa é a Lapa de noite


 

Ou seja, já não era tão bacana assim a ideia de ir ao show. Além de tudo, esse muquifo era longe demais da nossa casa. A gente teria que virar a noite por lá pra conseguir pegar um ônibus de manhã pra Nova Iguaçu e rezar pra não perder tudo (inclusive a vida) no meio do caminho de volta. Ser suburbano é uma bosta.

Mas era Gramofocas, cara. Nós fomos mesmo assim. O grupo era eu, Zé, João Victor e Bernardo. Estaríamos por conta própria naquele lugar e lá encontraríamos outros amigos. O evento aconteceria no extinto Cine Lapa, um buraco que mais parece um cenário de Jogos Mortais, só que com muita gente dentro.

 

 Olha esta POCILGA

 

Chegamos lá com antecedência e o estabelecimento ainda estava com as portas fechadas. Nós éramos basicamente quatro caipiras no meio da rua na Lapa sem saber o que fazer. Concordamos que deveríamos ficar juntos e evitar ao máximo qualquer tipo de gracinha para poupar nossa integridade.

5 minutos depois um cara extremamente suspeito, com barba desgrenhada, gorro e aspecto sujo chega do nosso lado. Puta que o pariu. Ele abre a jaqueta assim meio escondido e fala “dose de tequila por 5 reais?”. Fica aquele climão de “isso só pode ser pegadinha”. O silêncio paira no ar e o Zé, sempre sensato em situações de pressão, tenta resolver

 
– COM CERTEZA, MEU CAPITÃO! ME VÊ UMA PRA MIM E PARA OS MEUS RAPAZES
 

Ele simplesmente aceitou. O Zé nem bebe. Se o cara oferecesse MIJO pra gente o Zé aceitaria. Nisso o mendigo negociador tirou de dentro da jaqueta uma garrafa, uns copinhos plásticos, sal e limão. Quer dizer, teoricamente aquilo era sal e limão, né. Se bobear a tequila que ele botou no copo era óleo diluído de caminhão. Nunca saberíamos dizer, nunca tínhamos tomado tequila na vida.

 

O sujeito era mais ou menos uma mistura desses dois ladrões de Esqueceram de Mim

 

Daí pra frente não tinha volta. A gente se viu com aquele farelo branco na mão, um limão certamente colhido em um pomar de HIV e aquele copo sabe-se deus com o quê. O Zé, para mostrar que estava completamente no controle da situação, resolveu abrir a boca de novo.

 
– COMO É QUE A GENTE BEBERICA ESTA IGUARIA, MEU CHAPA?
 

Sério. Eu odeio o Zé. O mendigo de Wall Street pelo menos foi super solícito. Disse que era pra botar o limão na boca e depois o sal para então beber a tequila, eu acho. Sei lá. Eu realmente não aprendi direito. São só 3 etapas e ainda assim eu não sei até hoje. Enfim, bebemos o shot de Hepatite C e estávamos nos sentindo OS TRANSGRESSORES da região.

Começou o show e foram chegando mais alguns amigos. Dentre eles, a Cristal. Guarda bem essa informação: a Cristal estava empolgada para ver o show dos Gramofocas. Vou até deixar em vermelho para você não esquecer. A Cristal estava empolgada e veio de longe só para ver o show dos Gramofocas.

 

O vocalista do Costanzas era o Vin Diesel

 

Logo em seguida subiu no palco o Carbona. Ah, moleque. A chapa tava esquentando. Galera começou a ficar mais soltinha, mais aglomerada e eu, em determinado momento (possuído por aquele copo de gasolina vendido a mim como tequila), achei que seria uma boa ideia subir em uma das caixas de som do lugar para curtir o show como se eu estivesse em um festival de música alemão. Eu tava me sentindo o quinto membro da banda ali em cima, tal qual um rockstar. Na minha cabeça todos estavam pensando “olha que rapaz ousado! Vejam como este cavalheiro possui o dom da excelência”. Era meu momento.

Mas segundo testemunhas isso só durou uns 20 segundos até um segurança dar dois tapinhas na minha perna e pedir pra eu descer dali. Eu sou um fracasso.

 

O Carbona e esse efeito DESCOLADO de fotografias da night

 

Acabando o show deles, veio o grande momento da noite: Gramofocas. Puta que pariu eu amo Gramofocas. Quem me segue nas demais redes sociais já notou isso. Não da maneira que eu esperava, mas notou…

 

Invejosos.

 

Tipo, até então a galera nas apresentações anteriores estava animada com o Carbona e Costanzas. Mas broder, quando começou Gramofocas o recinto virou um purgatório. Eu não sabia 1) de onde tinha surgido tanta gente assim em tão pouco tempo 2) como aquelas pessoas fizeram para caber ali e ainda sobrar oxigênio 3) se eu sobreviveria.

 

Eu acho que tem umas 347 coisas acontecendo ao mesmo tempo nessas duas fotos

 

Mermão, eu tava desnorteado. Eu não conhecia na prática o conceito das rodinhas punk e vou te falar: só deus sabe o tanto de porrada que eu levei naquele dia. Era empurrão de um lado, cotovelada do outro…uma experiência única.

 

Olha eu sofrendo e curtindo ao lado de um cosplay do Marcelo Tas

 

O Zé, coitado, cismou de entrar em uma roda fazendo base de arte marcial. Não demorou 3 segundos e levou um soco na cara. A gente tava sendo moído ali, suando, abraçando sujeitos que não tomavam banho há pelo menos 4 dias e mesmo assim estávamos felizes. O Zé estava só o paninho da cachorra, porém num estado de euforia que a ciência ainda precisa estudar.

 

O cara já tava com a alma entregue a deus, alá

 

Foi sem dúvida um dos momentos mais legais da minha vida. No final da noite, antes de irmos embora, acabei fazendo amizade com a guitarrista do Costanzas (a Angélica, colunista do Tenho Mais Discos Que Amigos), ganhei uma palheta do Badke, vocal do Carbona, e ainda tirei uma foto com os Gramofocas.

 

A foto no caso foi tirada com uma torradeira, como vocês podem notar pela resolução

 

Alguns anos depois rolaram outros shows e tive a oportunidade de ter fotos bem mais excelentes, como essa:

 

OLHA EU CANTANDO COM OS CARAS EM 2012

 

Se o andar da carruagem continuar favorável, um dia vou ter uma foto tocando com eles no palco. Talvez eu seja só um menino sonhador. Só sei que depois desse show eu prometi a mim mesmo que nunca mais perderia nenhum.

 
[UPDATE: EU TOQUEI COM OS GRAMOFOCAS. FOI UM DOS DIAS MAIS LEGAIS DA MINHA VIDA! OLHA EU TOCANDO COM OS GRAMOFOCAS!

AHH, MAS NÃO FOI SÓ FOTO NÃO. OLHA EU EM VÍDEO TOCANDO COM OS GRAMOFOCAS

MAIS PUNK ROCKER QUE EU VOCÊ NÃO ENCONTRA POR AÍ NÃO]
 

 
A moral da história é: Detonautas é uma merda.

CENA PÓS-CRÉDITOS
 
 

Lembra da Cristal? Então. Durante o show do Carbona ela passou por nós no meio da muvuca falando “vou beber para curtir mais ainda os Gramofocas!”. Uns 40 minutos depois passa a Cristal de volta sendo carregada porque simplesmente bebeu sozinha mais do que o recinto inteiro.

 
 
A Cristal não viu o show dos Gramofocas

Faça algum elogio aqui

12 Comentários

  1. O zé fala com td mundo como se tivesse pedindo comida pra garcom de boteco com “& lanches” no nome?

  2. Manu

    Só eu que estou me sentindo meio lesada por não saber o que é “Gramofocas”? Vou procurar no Spotify, prometo!
    Meu primeiro show de “rock” (por assim dizer) foi o de Nando Reis aqui na Orla de Atalaia, em Aracaju. Ao contrário da Lapa, a Orla é um lugar bem tranquilo, é o principal ponto turístico daqui. O problema todo é que o show era gratuito, tinha muita gente e antes de Nando se apresentar um banda de reggae local tocaria. Nunca fumei tanta maconha passivamente em minha vida até então, e no show do Nando eu descobri o que era “good vibes” (pode ser coisa da minha cabeça, mas até hoje acho que dei uma viajada naquele show). Outro detalhe importante é que, assim como Ygor, sou suburbana também e inventei de voltar sozinha de táxi porque iria trabalhar no outro dia. Eu ganhava uns 400 reais de salário líquido na época (2010) e a corrida custou 50 (!) reais. Até hoje me arrependo de não ter dormido na casa de uma amiga minha “para não incomodar”.
    Continua com as postagens, sou fã do blog, estou ansiosa pela continuação do Senhor dos Anéis! 😀

  3. Fábio

    Acho que está faltando algo no texto … Olha a sequência :

    “…
    A Cristal estava empolgada e veio de longe só para ver o show dos Gramofocas.
    Uma foto com a legenda – O vocalista do Costanzas era o Vin Diesel
    Logo em seguida subiu no palco o Carbona
    ..”

    Falta algo, acho. Imagino que mais gente vai comentar isso. Pode remover o comentário se estiver duplicado.

    • Fábio

      Inclusive não vi a parte do “Zé fala…”.
      Será problema no meu browser ?

  4. Isadora Fonseca

    Meu primeiro show de rock é nesse sábado. Sepultura na Brüder de Ipatinga e eu tô nervouser demais kkkkkk

  5. Eu também, como você era meu caro ygor, nunca fui num show ao longo desses 17 anos da minha vida. Em parte pq eu moro em Belém, e quem eh q quer vim pra cá meu mano??? E qundo vem é uns cantor bosta tipo elba ramalho. Enfim, meus tb são MT restritos, o que não ajuda.
    Espero que um dia eu alcance o sucesso na minha vida assim como você. QUE PENA Q DEU DA CRISTAL, CARA.

  6. Ana

    Eu confesso que esbocei muito com esse texto, porém fiquei com dó da Cristal kkkkkkkkkkkk
    E olha parabéns viu, isso prova que não devemos desistir dos nossos sonhos.
    Você escreve muito bem!!

  7. Kat

    Me identifiquei muito com a Cristal :/ kkkk
    Você escreve muito bem Ygor, parabéns!

  8. Keka

    Ooo Ygor, só pra avisar que sou leitora nova e que curti muito tuas histórias! Já li tudo que tem nesse blog, então, se der, continua escrevendo e desenterra mais uns posts antigos! 😀

  9. AAAA CARALHO EU AMO ESSE TEXTO!!! Ja li muitas vezes e sempre dou risada como se fosse a primeira

Next ArticleResenha: Harry Potter e a Pedra Filosofal