Diarreia Infantil

Texto originalmente publicado dia 21 de Janeiro de 2012

 

Todo ser humano precisa se alimentar e, consequentemente, concluir o processo digestivo.

O problema é que -desconsiderando a possibilidade de você ser um mendigo- você não pode sair cagando por aí e a necessidade de expelir nossas fezes (cagar, no caso) nem sempre se manifesta num local propício para o ato. Quero dizer, vai me falar que você nunca suou frio por estar prendendo o que aparenta ser 3,5 toneladas de cocô por não ter aonde ir? Se não, você não sabe o que é viver no limite. E eu sinto pena da sua vida tediosa.

Lidar com esse tipo de situação já é difícil quando você é adulto. Agora imagine uma criança de 13 anos passando por isso. Vamos lá…

Eu estudava no Colégio Iguaçuano na época, sexta série, pré-adolescente e cheio de sonhos. O dia tinha aquele ar estranho, de que algo daria errado. E foi na aula de matemática entre frações e equações que ela veio. O mais estranho é que não foi aquela dor de barriga que vai acumulando, ela chegou do nada, sem dar nem um bom dia.

Como não era a minha casa, o pensamento inicial foi “vou prender porque não defeco na rua. Sou uma criança de princípios” mas era como se eu tivesse tomado dois litros de Activia no dia anterior e estivesse com cocô acumulado até o esôfago. Comecei a suar gelado, contraindo o esfíncter de forma que a cena equivalente era de uma pequena marmota saindo de sua toca para pincelar de marrom um lençol do lado de fora.

Pedi à professora para ir ao banheiro e percorri o que aparentou ser o caminho mais angustiante da minha vida. Dois andares com a vista embaçada, suor no rosto e um senso de direção e raciocínio consideravelmente afetados. Entrei no banheiro como uma chita na savana e fui direto para a última cabine.

*Vamos, nesse ponto da trama, atentar ao detalhe de que sempre usei camisetas grandes e a do uniforme escolar não era uma exceção.

Sentei no assento sanitário e deslizei o moreno com uma pressão de aproximadamente 75 atm. Para quem não é muito íntimo dos conceitos da física, é como se eu estivesse peidando uma pequena bombinha amarrada num foguete da NASA explodindo. O alívio foi imediato. Mas ainda tinha muita merda por vir. Literalmente. ~humor~

 

cazalbe

 

…tá, desculpem-me pelo trocadilho.

Devidamente aliviado, eu deveria terminar o procedimento padrão, voltar para a sala de aula e assistir ao final da aula de matemática para que o dia seguisse normalmente. Aquele dia infelizmente era hipster demais para ser como todos os outros e estava disposto a foder minha vida. Eu havia cometido o pior erro que um aluno do Iguaçuano poderia cometer no banheiro: fui direto para a cabine.

Explico. Uma peculiaridade do banheiro daquela escola era a questão do papel higiênico, que não se dispunha individualmente nas cabines mas sim num grande rolo no início do corredor para que o usuário pegasse antes de…levar a Alcione pro Water Planet. Como o II é um blog INFORMATIVO, fiz uma planta fiel à estrutura do banheiro para que vocês entendam.

 

mapinha
Ygor Freitas Arquitetura e Planejamentos®

 

Logo, com a carga despachada, eu me vi numa situação desagradabilíssima: esqueci de pegar o papel higiênico antes de fabricar o Snickers. Em cerca de 15 minutos começaria o intervalo geral da escola e todos iriam ao banheiro. Eu me vi numa cena de filme de ação, com a contagem regressiva rolando. Um Jack Bauer que lidava com cocôs. Minha criativa mente infantil não teve dúvidas do que fazer quando olhou para o meu pé e viu uma meia. E vá se foder, não me julgue. Eu era uma criança, era o que eu tinha ali.

Limpei meu simpático bumbum com a meia e percebi que havia OUTRA COISA errada. Lembra que eu disse que usava camisetas grandes? Então, ela tava meio pesada e eu me dei conta de que no desespero, havia esquecido de dar aquela levantadinha nela antes de sentar e aí foi estado de calamidade, meu querido. Eu nunca imaginaria que uma criança poderia pensar em suicídio, mas ali eu vi que existem casos.

Eu precisava agir. Tirei a camisa de forma tão escrota que acabei com coliformes nas costas e no cabelo, fazendo aquele rastro ao longo do percurso, tipo uma listra.

 

carrinhoIsso é o máximo que posso fazer para vocês visualizarem como eu fiquei

 

Caso você ainda tenha dúvidas: sim, eu já estava chorando. Chorando e cheio de cocô no corpo sentado no chão de uma cabine sanitária. Se a Loira do Banheiro aparecesse ali eu acho que até ela teria pena daquela criança que parecia ter saído de um esgoto do cu da Índia. Engoli o choro e pensei nas possibilidades. “Tirei o excesso” da camisa e o resto do meu corpinho eu limpei…

 
…com a outra meia.
 

Eu já não ligava mais para o conceito de dignidade. Voltei à ação. Como era só a parte de baixo da camisa que estava suja, botei pra dentro da calça, molhei o cabelo na pia e voltei pra sala. TODOS ME OLHANDO. Eu crente que era porque a camisa pra dentro da calça estava charmosa. Sentei me sentindo o cara, até que minha amiga Carolina vira pra mim e fala “cara, cê tá todo cagado né? Que cheiro é esse?”. Olhei de novo para a turma que, em vez de me achar charmoso, estava possivelmente cochichando “aposto que é merda. Ele tá cocozento, certeza” e rindo de mim. Saí de sala, fui para a secretaria da escola, pois eles forneciam roupas extras em casos de emergência e dei de cara com o diretor.

Sinceramente, acho que para a situação ficar pior, só faltou ele me expulsar e me mandar uma equipe do zoológico me buscar. Mas fui extremamente conciso e pedi por uma nova camiseta.

 
– Olá, Seu Edilton. Eu preciso de uma camiseta nova.
– Tudo bem. Qual seria o motivo?
– Bom, nada de muito grave além do fato de eu estar COM COLIFORMES FECAIS ATÉ NA MINHA ALMA
 

Seu Edilton, homem de bem, me deu uma camiseta e voltei para o banheiro para me trocar viver feliz para sempre.
 

Tenho quase certeza de que até hoje o zelador se pergunta antes de dormir o que aconteceu naquele banheiro para ter duas meias e uma camisa no lixo, paredes e pia, todas sujas de excrementos infantis.

A propósito, não me lembro de ter dado descarga.

Faça algum elogio aqui

38 Comentários

  1. Amanda

    Maravilhoso reler esse texto depois de tanto tempo hahaahhahaha

  2. Cristiane

    Deus, eu tô morrendo aqui!!!!! Melhor texto ever!!!!!

  3. Karolyne

    MEU DEUS YGOR HAHAHAHAHAHAHAHHA EU NUNCA ME CANSO DESSA HISTÓRIA, ESPERO TER UM FILHO TÃO PECULIAR QUANTO VOCÊ MAIS NOVO HAHAHAH

  4. Bec

    “Ele tá cocozento, certeza.” HAUSHAUSAHUSHAHSHAHSHAHSHSHSHHS

  5. Ali

    Junta essa história da merda + o dia em que o Luscas pisou na merda e a gente já tem os dois primeiros filmes de uma possível franquia.

  6. Karen

    Meu Deus tu és sensacional! Posta o da pedra nos rins!

  7. Gregory

    É muito, muito, muito bom ver que o blog tá de volta :)! Seria muita folga pedir por dois textos antigos na semana?

  8. Juliana Sipert

    EU TO É MORTA COM ESSA HISTÓRIA HAHAHAHAHAHA

  9. Érika

    Que emoção, o primeiro texto é o melho de todos da vida

  10. Larissa

    HHAHHAHAHAHAHAHAHAA MEU DEUS YGOR!!!!!! Confesso que não tinha lido esse no blog antigo, mas tá sensacional!!!!!!! hahahahahahhahaha
    Confesso ainda que vim comentar para te incentivar, NÃO PARE NUNNNNNCA! obrigada

  11. Naíra

    HAHAHAHAHAHHAHAHAHAH Que saudade q eu estava desse blog! Sensacional!

  12. Ícaro

    Eu tava triste, mas depois deste texto fiquei feliz! Ri muito, obrigado Ygor. :))

  13. Jeanne

    Igor, acho que já te conhecia nessa época e não fiquei sabendo dessa situação tão bizarra que aconteceu contigo. Sua turminha, inclusive, meu filho, nunca comentaram comigo dessa sua famosa cagada, que por sinal, parece está divertindo tantos os seus seguidores.

  14. Isabela

    HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA ygor melhor ser humano dos dias atuais

  15. Isabela

    HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA ygor melhor ser humano dos dias atuais

  16. Maria Clara

    Eu ri mesmo foi do Ygor Freitas Arquitetura e Planejamentos®

  17. Ana Luísa

    Lendo de novo mas chorando de rir como se fosse a primeira vez

  18. JULIANA

    Meu Deus Ygor você é a melhor pessoa do mundo HAHAHAHHAHAHAHAHAHHAHAHA nunca largue esse blog!

  19. Luã

    Ai ai, Ygor, estou aqui dando gostosas risadas.

    Seria um sonho imaginar que teremos post atualizados a cada 6 meses no Blog? rsrs

    Muito bom reler essa maravilhosa história recheada de merda.
    Obrigado e volte sempre.

  20. Tawane

    “Sentei no assento sanitário e deslizei o moreno com uma pressão de aproximadamente 75 atm. Para quem não é muito íntimo dos conceitos da física, é como se eu estivesse peidando uma pequena bombinha amarrada num foguete da NASA explodindo.”

    Eu quero comprar uma faixa amarela bordada com essa frase e vou mandar pendurar na entrada da favela, meu deus kkkkkkkkkkk

  21. Giuliano

    Li essa merda no táxi dando alguma risada o taxista ta me olhando torto achando que sou retardado mas foda-se que história maravilhosa meus parabéns

  22. Fernanda

    Cara.. muito obrigada. Tinha tempos que eu não ria tanto!

  23. Kath

    Foi a melhor coisa q eu li durante essa semana bosta (rsrs desculpa)

  24. Micol

    Senti dor de tanto rir hashdashahssdha melhor texto (até vir o próximo)

  25. Antonio

    Caro Ygor,
    Quero apenas dizer que você escreve exatamente do jeito que os pensamentos se formam na minha cabeça e que eu gostaria de ter me cagado sobremaneira tal qual vossa senhoria apenas para chamar essa história de minha. Obrigado por vosso sacrifício fecal.

  26. Thábata

    O que dizer então de uma criança que fez coco no mictório? Sim, pessoal… existe.

  27. Me lembro quando passei por essa situação, porém com 9 anos e num shopping, no magnífico dia que descobri que comer a casquinha do sorvete não tinha sido uma boa ideia. Nunca fui tão agoniada pra um banheiro na vida, e quando tava quase lá, me deparo com QUATRO jovens de braços dados tapando todo o corredor. Olhei para a porta de entrada do banheiro, tão perto, mas tão longe, olhei para o espaço mínino entre a última garota e a vitrine e me joguei, corri, passei por um espaço inimaginável, deixando uma vitrine de vidro balançando desesperadamente, e vários olhares assustados para trás.

  28. Caraleo são 4 da manhã e eu tô PASSANDO MAL com esse texto, tô chorando de rir HAUAHAUAHSHSH

Next ArticleResenha: A Culpa é das Estrelas